Eu, cheia de fossos e pontes elevadiças

Com cavaleiros nas ameias espreitando a escuridão

Olhos nos céus, garimpando estrelas

Como alguém que sitia a própria alma e dela expulsa fantasmas

Ou é por eles sitiado, vivendo à mingua

Dando murros em pontas de facas

Vivendo com os olhos cheios de perguntas

Insistir em sempre é sereno

Sou centenas de mortos e feridos

Meu peito é um buraco negro sugando estrelas

 

trechos retirados do livro O Duelo do Batman contra a MTV, Sérgio Capparelli.

Nota

Vou sempre tropeçar
nessas linhas que deixamos por amarrar na nossa história
soltas como os cadarços de alguém que saiu com pressa.
O problema não foi ter acabado
O problema foi acabar como acabou, sem ninguém falar nada.

Nota